Ekkehard Grote deu seus primeiros passos na fotografia no início da década de 80, quando serviu o exército alemão. Ele fazia registros dos treinamentos e revelava as fotos no laboratório do batalhão. Sua primeira exposição fotográfica surgiu de uma missão dada por seu comandante: registrar cenas da cidade onde viviam para uma mostra realizada no batalhão.

Em seguida, estudou Fotografia e Filosofia na cidade de Freiburg, na Alemanha, onde, segundo ele, existia a melhor biblioteca de fotografia da Alemanha. Lá, conheceu o trabalho de Man Ray e Lizette Model, que se tornaram suas referências. Trabalhou com diversas áreas da fotografia: fotojornalismo, indústria, saúde, retratos, entre outras.

Mas foi viajando pelo mundo que ele descobriu a sua fotografia. Assim, passou a fotografar pessoas, cidades e culturas diferentes. “As imagens que fazem parte da exposição “Zeitgeist – Espírito do Tempo” são o resultado de meu trabalho autoral, com recortes das minhas viagens pela Europa até chegar à América Latina. Há registros feitos na Alemanha, Áustria, Espanha, Itália, Estados Unidos, Peru e Brasil”, diz Ekkehard Grote.

Os trabalhos do artista foram exibidos tanto em exposições fotográficas como em apresentações audiovisuais nas cidades de Mayn e Berlim, na Alemanha; Viena, na Áustria; Cidade do México (durante o V Colóquio Latino-Americano de Fotografia); Rio de Janeiro, Petrópolis e em Vitória, no Brasil.